Hatsune Miku

“V2”

O VOCALOID2 (muitas vezes encurtado para apenas ” V2 ” nas comunidades VOCALOID) foi o sucessor do motor VOCALOIDoriginal da YAMAHA Corporation .

História

Logo no inicio do desenvolvimento do Vocaloid 2 várias mudanças ocorreram. Em vez de se basear na análise da voz humana, o VOCALOID2 baseou seus resultados vocais em amostras da voz humana. A interface foi revisada e os vocais trabalhados para produzir resultados mais suaves. 

O primeiro protótipo da engine foi testado em 2005. Um desses testes usando o editor foi divulgado e a música ” Young Blood ” foi compartilhada em 2015, que contou com o voicebank de teste anteriormente inédito produzido para o japonês.

Em janeiro de 2007, o VOCALOID2 foi anunciado.  Foram apresentadas 3 demonstrações vocais no NAMM 2007, que posteriormente foram confirmados como Sweet ANN, que foi anunciado em maio, Big Al (anunciado mais tarde em 2007) e Prima, que foi anunciado em fevereiro. [3] [4]

O VOCALOID2 foi lançado em 2007 após uma resposta global bem-sucedida ao software VOCALOID . Seus primeiros voicebanks foram Sweet ANN para o inglês e Hatsune Miku para o japonês. No entanto, como observado pela Crypton Future Media, no momento da liberação de Miku, a versão original do software VOCALOID2 foi produzida sem testes beta públicos, ao contrário de VOCALOID1. Em vez disso, a YAMAHA optou por atualizar o software quando os usuários relataram os erros. [5] Em contraste com VOCALOID , o engine VOCALOID2 foi um sucesso imediato no Japão encaminhando mais de 3.000 pedidos de pré-lançamento feitos para o software de Hatsune Miku. Os VOCALOIDs japoneses viram muitos bancos de som adicionais serem lançados e vários novos estúdios japoneses entraram na produção.

As utilizações do engine do programa Vocaloid variavam entre os estúdios. Os primeiros VOCALOIDs da Crypton Future Media não tinham uma vocalização parecida com a de um humano, mas depois os VOCALOIDs da Internet Co., Ltd. como o Gackpo e a GUMI adotaram uma abordagem de uma voz mais realista. O engine foi constantemente atualizado com cada novo lote de VOCALOIDs, embora a mudança mais importante veio com a produção da série VY pela Bplats. Isso introduziu mudanças em como a biblioteca foi organizada (VY1) e apareceu o primeiro VOCALOID com um elemento de respiração vocal, ficando mais realista (VY2). Alguns bancos de voz vendiam bem o suficiente para garantir instalações adicionais, como foi visto no caso da Hatsune Miku e dos Kagamines, que receberam os bancos de vozes chamados de “Append”.

Zero-G continuou seus lançamentos especializados de VOCALOID usando um mecanismo sendo baseado em ópera . O recém-chegado estúdio PowerFX tentou uma abordagem mais orientada para os personagens, que se tornou mais aparente após a atualização para o BIG AL do que com o Sweet ANN. Os estúdios de VOCALOID também experimentaram tentativas de aumentar seu próprio perfil e estabelecer um fandom como os VOCALOIDs japoneses asseguraram. Isso criou um progresso misto. O engine inglês foi mais popular na era VOCALOID2 do que no primeiro semestre, principalmente devido à popularidade da versão japonesa influenciando os compradores ocidentais. Embora nunca tenha alcançado o mesmo nível de popularidade da versão japonesa, foi mais bem-sucedida em termos gerais do que os bancos de voz ingleses anteriores da VOCALOID1 .

A versão do software também foi adaptada para ser lançada no iPhone e iPad sob os nomes iVOCALOID e VocaloWitter(originalmente “i-Vocaloid”). Em 2013, uma versão “Lite” deste software também foi testemunhada quando os vocais Masaoka Azuki e Kobayashi Matcha do Projeto 575 foram movidos para o mecanismo VOCALOID. No entanto, o software VOCALOID2 não suportava as versões “Lite” de si mesmo, portanto, não tinha recursos para reconhecer esses vocais; eles eram exportáveis ​​apenas para o VOCALOID3 . [7]

Uma interface chinesa tradicional foi lançada em 2010, mas estava disponível apenas para o Sonika . Foi vendido em Taiwan.

Atualizações  

As atualizações foram fornecidas principalmente junto com os VOCALOIDs para a versão mais recente do engine. Pacotes como o Append serviram como expansão e como forma de atualização de software para usuários mais antigos. Algumas empresas atualizaram o software à medida que novas versões foram lançadas, enquanto outras não.

O software ficou sem atualizações no final de 2011 com o lançamento do software VOCALOID3 . A Crypton Future Media hospedou o único suporte on-line para o software, a versão mais atualizada foi o VOCALOID 2.0.12 lançado em 6 de novembro de 2010. [8]

Voicebanks não lançados  

Alguns estúdios tinham pacotes de expansão e atualizações destinadas ao VOCALOID2 em desenvolvimento no momento do anúncio do VOCALOID3 .

Os bancos de vozes conhecidos por terem sido afetados pela liberação mais recente dos motores foram:

  • Um VOCALOID masculino da Crypton conhecido como “CV04”
  • Atualização da GUMI
  • Hatsune Miku em Português
  • Atualização da KAITO
  • Atualização da MEIKO
  • Megurine Luka’s Append

No entanto, estes foram anunciados mais tarde para serem lançados para os lançamentos do VOCALOID3.

Apesar dos voicebanks espanhóis estarem em produção desde 2009, eles nunca foram liberados. A razão foi que precisava ocorrer uma adaptação do engine do VOCALOID para permitir que os vocais espanhóis funcionassem. Os vocais do VOCALOID3, Bruno e Clara , foram posteriormente confirmados em produção desde 2009, enquanto o motor foi adaptado. [9]

Aposentadoria Final  

No final de 2015, foi anunciado que os códigos de série VOCALOID2 acabariam por ser abandonados. O prazo foi definido para 31 de março de 2016. Apesar da aposentadoria, alguns VOCALOIDs poderão ser adquiridos enquanto durarem os códigos de série, semelhante aos vocais aposentados da VOCALOID . [10]

 

Requisitos

  • Windows XP / Vista de 32 bits (Windows 7 e Windows 8 não são oficialmente suportados; 64 bits e 2000 NÃO são SUPORTADOS)
  • Pentium 4 2 GHz / Athlon XP 2000
  • 512 MB de RAM (1 GB de RAM recomendado) (recomenda-se 2 GB ou mais ao usar o VSTi em tempo real) ·
  • Aproximadamente 4 GB de espaço livre em disco rígido / unidade de DVD

Observe que este é apenas o requisito “padrão” para o software, os requisitos podem variar de acordo com o pacote.

Lançamentos

Lançamento de vozes baseadas no motor de Vocaloid 2

Demonstrações de Banco de Vozes usando Vocaloid V2

Mudanças 

A interface e o engine foram revisados ​​entre VOCALOID e VOCALOID2 . Os VOCALOIDs japoneses agora têm uma interface japonesa para trabalhar, facilitando o uso para usuários japoneses.

O VOCALOID2 salva os arquivos como .VSQ, permitindo que mais dados específicos do VOCALOID sejam salvos, ao contrário do anterior tipo de arquivo VOCALOID “VOCALOID midi” que salvava apenas o formato de dados padrão do setor. O VOCALOID2 importa qualquer arquivo relacionado ao midi para ele, mas possuium suporte midi mais limitado do que outros pacotes de software de música lançados no momento do lançamento. Ele não salvava um arquivo como um formato de arquivo midi, no entanto, ele pode ser exportado como tal, embora possa causar a perda dos dados mais complexos do VOCALOID2 no processo. Os arquivos .VSQ do software também podem ser importados para o UTAU e convertidos para o formato de arquivo de sequência vocal do UTAU, embora o contrário não seja possível e o VOCALOID2 não importará o formato de arquivo de sequência de dados do UTAU. Ele também não carregará arquivos VOCALOID3 .VSQX.

O VOCALOID2 introduz várias Fonéticas ocultas que não são mencionadas pelo guia de ajuda do software. Existe uma transação de vogal para vogal (escrita como [-]) que carrega uma palavra através de várias notas sem problemas. Respirações foram introduzidas e criadas digitando-se [br1] até [br5] (dependendo de qual das 5 amostras você deseja usar). Esta é uma melhoria em relação ao VOCALOID (v1), em que você precisava criar uma respiração via [* in]. As capacidades de expiração ([* out]) foram removidas. [Sil] e [Asp] também são novos recursos e aumentarão as capacidades do VOCALOID, dependendo muito do uso.

Refinamentos  

Uma das melhorias desse novo motor são várias melhorias nas pronúncias. Por exemplo, a palavra “Now” falada pelos VOCALOIDs em inglês soa muito mais suave, enquanto o VOCALOID (v1) separa as palavras e soa como “No-ow”. Em vez de usar amostras gravadas como dados analíticos para adaptar o ruído do motor para combinar com o vocalista, as amostras eram, em vez disso, o foco e o próprio engine para encaixar as amostras. As novas adições e engine mais limpo fazem do VOCALOID2, em geral, superior ao seu antecessor.

O VOCALOID2 tem um tom humano muito mais realista que o VOCALOID. A maioria dos vocais são muito mais nítidos do que os vocais do VOCALOID e os resultados renderizados são em geral mais limpos. Além disso, devido às melhorias entre o VOCALOID e o VOCALOID2 , o voicebank padrão do VOCALOID2 é de melhor qualidade geral do que o VOCALOID. Novos vocais foram autorizados a existir com essas melhorias, como Sweet Ann , que originalmente pretendia ser um vocal VOCALOID, mas foi descartado por problemas de qualidade.

Muitas melhorias na qualidade foram feitas durante a vida útil do engine e os bancos de vozes foram ficando mais suaves que os mais antigos, porém alguns bancos de voz VOCALOID2 como Hatsune Miku, Camui Gackpo (Gackpoid) ou Sweet ANN têm problemas em se equiparar a outros como VY1, BIG AL ou Nekomura Iroha. No entanto, a qualidade geral de muitos bancos de voz VOCALOID2 variou muito entre eles, mesmo nas versões posteriores do engine e uma variedade de problemas pode contribuir com a qualidade de um vocal em detrimento de outro. Além disso, a partir do desenvolvimento da série VY VOCALOID VY1 e VY2 , melhorias foram feitas na forma como o motor funcionava enquanto ainda usava apenas o núcleo VOCALOID2 .

Problemas Conhecidos  

Os bancos de Voz no VOCALOID , no entanto, tinham mais opções de edição possíveis do que o VOCALOID2 e vozes mais variadas poderiam ser alcançadas. Os vocais do VOCALOID2 eram em geral mais planos do que os vocais do seu provedor e, às vezes, também levemente mais profundos, embora a profundidade não fosse tão notável quanto a diferença do VOCALOID. A sincronização entre vocais e faixas de apoio, bem como com outros vocais no software, foi melhorada, embora alguns VOCALOIDs como Utatane Piko ainda tenham problemas com a sincronização. VOCALOID2 também continua a lutar com vocais de baixo-gama e foi um dos limitadores de tipos de vocal para esta versão do software. [11]

Embora o software pudesse funcionar com uma interface em inglês ou japonês, ainda não era possível alternar as interfaces manualmente. O idioma japonês foi controlado por arquivos .dll adicionais com a alteração da interface em inglês para o japonês. Como os VOCALOIDs japoneses e ingleses foram vendidos para diferentes mercados, não houve preocupações com as diferentes versões do software. No entanto, isso não impediu que os usuários tentassem usar os VOCALOIDs dos dois idiomas e, quando Megurine Luka foi lançada, estava se tornando cada vez mais comum os produtores possuírem VOCALOIDs em inglês e japonês. Megurine Luka apresentou o problema mais importante com esta versão do software em relação à situação da linguagem: embora seu pacote contivesse um voicebank em inglês, ela não tinha uma interface em inglês. Portanto, fazer o mecanismo funcionar na linguagem correta apresentou uma dificuldade em si mesmo. Seu voicebank inglês atraiu potenciais usuários ingleses nativos. Antes do conhecimento de métodos alternativos para obter acesso à interface em inglês, os produtores eram frequentemente atraídos por Sweet ANN ou Prima para obter acesso à interface em inglês ou instalar um mod que mudaria isso para eles. Se excluirmos os arquivos de idioma .dll em japonês, a interface voltará para o inglês , embora o voicebank continue a funcionar apenas na fonética japonesa. No entanto, à parte, a ordem de instalação de diferentes idiomas decidirá a interface adotada pelo software VOCALOID2 .

Alguns VOCALOIDs terão conflitos se forem instalados em uma versão mais recente do engine. Esse problema foi resolvido com versões posteriores do software, mas anteriormente fez com que o editor se recusasse a abrir. Reinstalar a versão mais atual resolverá o problema. O primeiro VOCALOID2 liberado que encontrou este problema foi o Prima, já que os VOCALOIDs anteriores a ela tinham versões de motor similares. Isso também pode causar conflito com VOCALOIDs e a situação da linguagem, já que um usuário pode instalar involuntariamente VOCALOIDs na ordem errada ao tentar obter o software na interface correta.

Ao contrário do VOCALOID , a interface não assumiu uma cor diferente para cada voicebank, o VOCALOID2 ficou como padrão a cor verde e foi a única aparência que poderia ter.

Slurring continuou a ocorrer com muitos vocais, para VOCALOIDs ingleses é mais provável que isso aconteça do que com VOCALOIDs japoneses devido ao maior número de amostras necessárias para serem manipuladas. A clareza ainda é perdida durante a manipulação, como resultado do mau manuseio da amostragem, embora o ruído digital improvisado tende a não ser a causa mais importante de perda de resultados vocais e se baseia mais na qualidade das amostras e no tom vocal quando comparado ao VOCALOID . Alguns VOCALOIDs também sofrem de alguns problemas notáveis, como um que produz um som de “arrancar” ao final de soar uma amostra ruim em particular. As línguas não japonesas não são a causa de tais falhas: Gackpo Camui e Hiyama Kiyoteru tem este mesmo problema em particular. No entanto, o grau de perceptibilidade das falhas varia muito de acordo com a biblioteca do voicebank; SONiKA é um dos VOCALOIDs que produz este som com mais frequência, tornando-se uma questão clara em torno de seu voicebank. Em contraste com isso, o vocal do o BIG AL não tem esse problema.

Embora o software tenha dados difônicos, os dados triponicos ainda estão ausentes e alguns sons são difíceis de distinguir dos outros por causa disso. Muito trabalho é necessário para tornar esses sons estranhos mais exclusivos um do outro. Isso também é diferente em relação ao software UTAU, que até 2010 poderia usar amostras de tripé (“VCV” voicebanks; vogal-consoante-vogal); O VOCALOID não carregaria esses dados até que o software VOCALOID3 fosse lançado no final de 2011.

A versão atual do VOCALOID2 não tem problemas com os sistemas operacionais atuais, mas não oferecem mais suporte desde 2011. Algumas versões mais antigas do VOCALOID2 (aquelas adquiridas antes de 2009) não funcionam com alguns sistemas de 64 bits, embora versões mais recentes podem funcionar com essa configuração. Para usuários com versões mais antigas desse mecanismo, isso pode ser problemático para que eles funcionem em sistemas operacionais posteriores de 64 bits. Alguns estúdios, como a Crypton Future Media, atualizaram suas versões de software nos produtos compráveis, mas outros, como o Zero-G, não atualizaram seus produtos. Caso contrário, o software VOCALOID2 funcionaria relativamente bem no Windows 7 ou outro SO de 64 bits, embora alguns possam encontrar pequenos problemas de execução. No entanto, a partir do lançamento do VOCALOID3 , os bancos de vozes do engine VOCALOID2 agora podem ser importados para este novo engine. Isso melhora tanto a suavidade quanto a clareza dos bancos de voz. VOCALOID e VOCALOID2 são incompatíveis entre si. Os usuários que desejam ter os bancos de voz VOCALOID e VOCALOID2 juntos têm que transferir via formato midi entre os dois programas para que os cantores cantem a mesma música e então usem um programa adicional de música / mídia para organizar os bancos de vozes.

Aqueles que trabalham no VOCALOID2 também notaram que uma das desvantagens desta versão era o quão limitada ela era em suas funções. [1]

Exemplo de comparação  

  • ” Once Upon a Dream – A Bela Adormecida (Inglês – Japonês) ” por Mirukumon ft. Megurine Luka, uma comparação entre o voicebank Inglês e japonês 

Marketing 

O marketing foi feito pelos estúdios. Não foi até o final da era VOCALOID2 que a YAMAHA começou a promover o software. Por essa razão, guias para VOCALOID2 e promoções do uso do programa foram principalmente focados nos Vocaloids da Crypton até o final de 2009. Revistas e livros foram produzidos mostrando como usar o VOCALOID2 , isso foi um contraste com o VOCALOID e até mesmo a Crypton Future Media reconheceu que ele praticamente não tinha apoio.

A Crypton Future Media, em particular, desfrutou de um marketing de sucesso de seus produtos devido à popularidade e sucesso de Hatsune Miku. A imagem de Miku foi usada para promover o software VOCALOID ™ e ela se tornou o rosto do VOCALOID ™. A Crypton conseguiu criar seu próprio site. Em 29 de novembro de 2010, a Crypton iniciou uma publicação de música independente para procurar royalties de direitos autorais se as músicas fossem usadas para fins comerciais, como karaokê, porque os usuários do VOCALOID ™ dificilmente usavam o coletivo de direitos autorais Sociedade Japonesa de Direitos de Autores, Compositores e Editores (JASRAC). [12]

Parte do problema para os estúdios mais novos entrarem no mercado VOCALOID ™ nesta fase é que eles estavam entrando em uma base de usuários que já estava acostumada com os dominantes Vocaloids da Crypton. Outros estúdios japoneses nem sempre adotaram essas medidas de marketing. Por exemplo, a Internet Co., Ltd não promoveu fortemente nenhum dos seus VOCALOIDs da mesma maneira que a Crypton, sendo a Lily uma exceção. No entanto, a Internet começou a promover mais fortemente seus VOCALOIDs a partir de 2010, por exemplo, GUMI e Gackpo fizeram aparições especiais no evento de comemoração do ano novo de 2010, conhecido como King Run Anison Red and White. A maioria das promoções e marketing de outros estúdios não começou até que o VOCALOID3 fosse lançado.

A AH-Software também tentou fazer esforços promocionais, mas foi em menor escala. A Bplats fez pequenas promoções para sua série VY, embora a diferença fosse que o marketing deles estava focado na qualidade do voicebank de seus VOCALOIDs e não na imagem. Além de uma demonstração do Piko Utatane, a Sony não colocou muito esforço de marketing promocional em seu VOCALOID.

Enquanto os estúdios VOCALOID japoneses desfrutavam de uma forte base de fãs para vender e comercializar seus produtos, Zero-G e Power FX tiveram que ganhar sua base de fãs desde o início, já que a maior parte do foco estava nos VOCALOIDs japoneses. Embora tradicionalmente eles sempre tivessem vendido ao mercado profissional com sucesso, devido ao interesse crescente no software VOCALOID, eles tentaram estabelecer seu próprio fandom VOCALOID. Isso significava fazer contato e continuar esse contato com os fãs do VOCALOID, ganhando seu feedback e os interessando ao invés de isolá-los do software. Embora essa tática nem sempre tenha sido bem-sucedida, eles quebraram o gelo e mais tarde adotaram os fóruns do VOCALOID Otaku como base principal para feedback e comentários dos fãs. Apesar disso, eles não foram capazes de obter tanto apoio quanto os VOCALOIDs japoneses tiveram durante o VOCALOID2 devido ao seu mercado muito mais limitado. O PowerFX, por exemplo, chegou tarde à era VOCALOID2 , sendo o menor estúdio que produzia VOCALOID na época e, portanto, não tinha dinheiro para investir pesadamente em seus produtos.

Além disso, o maior evento promocional para a VOCALOIDs foi a convenção “Voc @ loid M @ ster” (Vom @ s) realizada quatro vezes por ano em Tóquio ou na vizinha Prefeitura de Kanagawa. O evento reúne produtores e ilustradores envolvidos na produção de arte e música VOCALOID, para que possam vender seus trabalhos para outros. O evento original foi realizado em 2007 com 48 grupos, ou “círculos”, com permissão para hospedar barracas no evento para a venda de seus produtos. O evento logo ganhou popularidade e no 14º evento, quase 500 grupos foram escolhidos para ter barracas. Além disso, empresas japonesas envolvidas com a produção do software também têm barracas nos eventos. [13] YAMAHA começou seus eventos promocionais em 2011, como o VocaFes 2011 e o Vocafarre .

A Crypton Future Media também começou a tentar influenciar a América com seus próprios VOCALOIDs durante o período de 2010. Em maio de 2011, a Toyota usou Hatsune Miku para dois anúncios online para promover o Toyota Corolla 2011. Ela também foi exibida na página oficial da Toyota. A Toyota foi quem abordou Crypton para o uso de Miku. [14] Desde que a Crypton sempre vendeu Miku como um instrumento virtual no Japão, eles perguntaram a seus fãs japoneses se era aceitável que eles a vendessem como uma cantora virtual para o novo público do mercado. [15] O show de Miku em Los Angeles esgotou no dia 26 de maio de 2011. Ela não só foi a primeira cantora a se vender, mas essa foi a única vez que a AX, empresa encarregada de vender seus ingressos, já havia se vendido. A AX foi forçada a reservar mais assentos do que inicialmente para atender às demandas.

No entanto, a promoção dos VOCALOIDs se manteve longe da política para evitar que os mascotes parecessem tomar partido nas opiniões do público em geral. [16]

Impacto cultural

De acordo com a Crypton, um vídeo popular com “Hachune Miku”, uma garota Miku / Loituma , segurando uma cebolinha e cantando “Ievan Polkka”, apresentou várias possibilidades de aplicação do software na criação de conteúdo multimídia. [17] Como o reconhecimento e popularidade do software cresceu, Nico Nico Douga se tornou um lugar para criação de conteúdo colaborativo. Canções originais populares escritas por um usuário gerariam ilustrações, animação em gráficos de computador 2D e computação gráfica em 3D, e remixes por outros usuários.Outros criadores mostrariam seu trabalho inacabado e pediriam ideias. [18] O site se tornou tão influente que os estúdios costumam publicar demonstrações no Nico Nico Douga, bem como em outros sites como o YouTube, como parte do esforço promocional de seus produtos VOCALOID. O importante papel que Nico Nico Douga desempenhou na promoção dos VOCALOIDs também despertou interesse no software e Kentaro Miura, o artista do design de mascote de Gackpo, ofereceu seus serviços gratuitamente por causa de seu amor pelo site. [19]

Em setembro de 2009, três bonecos baseados no personagem derivado “Hachune Miku” foram lançados em um foguete do deserto de Black Rock, no estado americano de Nevada, embora não tenham atingido o espaço sideral. [20] [21] No final de novembro de 2009, uma petição foi lançada a fim de obter uma placa de alumínio personalizada Hatsune Miku (8 cm x 12 cm, 3,1 “x 4,7”) feita que seria usada como um peso de balanceamento para o Sonda espacial japonesa Venus Akatsuki (Planet-C). [22] Iniciado pelo fã de Miku Hatsune, Sumio Morioka, que passa por Chodenzi-P, este projeto recebeu o apoio do Dr. Seiichi Sakamoto da Agência de Exploração Aeroespacial do Japão (JAXA). Em 22 de dezembro de 2009, a petição excedeu as necessárias 10.000 assinaturas necessárias para que as placas fossem feitas. Um prazo original de 20 de dezembro de 2009 foi definido para enviar a petição, mas devido a alguns atrasos no projeto da Akatsuki, um novo prazo de 6 de janeiro de 2010 foi estabelecido; nesse prazo, mais de 14.000 assinaturas foram recebidas. Em 21 de maio de 2010 às 06:58:22 (Hora Padrão do Japão), a Akatsuki foi lançada no foguete H-IIA 202 Fright 17 do espaçoporto japonês Tanegashima Space Center, tendo três placas representando Miku Hatsune. [23] [24]

O software VOCALOID também teve uma grande influência no personagem Black Rock Shooter , que se parece um pouco com Hatsune Miku, mas não está ligado a ela pelo design. O personagem ficou famoso pela música “Black Rock Shooter”, [25] e várias figuras foram feitas. Uma animação de vídeo original feita pela Ordet foi transmitida gratuitamente como parte de uma campanha promocional de 25 de junho a 31 de agosto de 2010. [26]

O VOCALOID2 abriu a porta de entrada para a aceitação de vocais sintetizados no Japão, e outros softwares desse tipo puderam ser lançados com sucesso, como UTAU e VOICEROID .

Crítica

A única coisa que foi notada através desta versão em comparação com VOCALOID foi que ela foi usada mais por músicos amadores do que por profissionais. Devido ao impacto da Miku, VOCALOID2 viu que sua utilização não era mais voltada para músicos profissionais, muita gente que não é da área músical começou a se interessar em desenvolver canções usando o programa. Isso tornou-se um dos pontos negativos do VOCALOID2, pois o foco de desenvolvimento de voicebank foi se concentrando muito na Miku. A existência de VY1 e VY2 foi uma tentativa de afastar os usuários dessa tendência de preferir o personagem ao invés do vocal, abandonando completamente a imagem do personagem para uma abordagem “sem avatar”. Alguns VOCALOIDs de baixa qualidade foram capazes de vender bem contra os bancos de voz de maior qualidade, como visto no caso de Lily e VY1. Independentemente disso, isto continuou até mesmo em voicebanks VOCALOID3 .

A crítica também começou como uma reação a Miku, que ganhou fama mundial. Era comum os inimigos da VOCALOID presumirem que todos os VOCALOIDs “soavam como ela”. No entanto, apesar desta crítica, o único VOCALOID realmente capaz de atingir seu alcance vocal lançado durante a era VOCALOID2 foi o VOCALOID Prima Inglês. [28] Parte do problema no fandom internacional neste momento era o conhecimento limitado sobre VOCALOIDs japoneses, por acharem existir apenas os Vocaloids da Crypton: MEIKO, KAITO, Miku Hatsune, Rin & Len Kagamine e Luka Megurine. Outros VOCALOIDs japoneses frequentemente passavam despercebidos por causa disso, embora nem sempre tivessem os mesmos vocais de alto tom que os VOCALOIDs da Crypton.

Um alvo para críticas foi a versão em inglês do software , já que alguns dos fãs estrangeiros dos VOCALOIDs japoneses sentiram que não estavam a par com seus colegas japoneses. No entanto, apesar disso, muitos usuários japoneses que usaram o VOCALOID inglês disseram o contrário, que os VOCALOIDs ingleses eram melhores que os japoneses, contradizendo essa afirmação. Como o suporte para os VOCALOIDs ingleses começou a crescer, alguns esforços foram feitos para fazer os fãs do VOCALOID entenderem que, no geral, havia pouca diferença entre os dois idiomas. Uma das notas em relação à reação dos diferentes fandoms VOCALOID é que VOCALOIDs ingleses como Sweet ANN e Prima foram dublados por cantores profissionais, resultando em um resultado de canto de qualidade superior. No entanto, as primeiras bibliotecas de voicebank japoneses, como Miku Hatsune e Kagamines, basearam seus vocais na manutenção de um vocal característico com um canto de qualidade menor. [29]

Outro problema foi a falta de informação, por exemplo, o site japonês de VOCALOID da YAMAHA foi mantido relativamente bem atualizado sobre as informações relativas a esta versão, no entanto, eles não mantiveram atualizações em seu site em inglês, além de guias e informações. Técnicas que poderiam ser usadas para ajustar VOCALOIDs foram produzidas apenas na língua japonesa. Nada foi posto em prática para apoiar a versão em inglês, além da ajuda que o PowerFX ou o Zero-G poderia oferecer-se e, embora Luka tivesse fonética em inglês, ela não tinha suporte em inglês para seu vocal. Isso deixou os usuários ingleses com pouca informação sobre o software VOCALOID2. Com os VOCALOIDs japoneses ganhando mais promoção e atenção, demorou algum tempo até que as informações sobre o VOCALOID2 se tornassem mais acessíveis, com o Zero-G e o PowerFX perguntando aos fãs o que eles queriam da VOCALOID. No fandom japonês, poucos produtores usavam o idioma inglês, apesar de Luka Megurine tê-lo incluído em seu pacote de software, porque poucos conseguiam entender letras em inglês suficientes para trabalhar com essa versão específica do software.

Um pensamento constante ao longo da era VOCALOID2 foi sobre que, apesar das melhorias do VOCALOID para o VOCALOID2 , o VOCALOID2 ainda estava longe de ser perfeito. Revisores profissionais da revista Sound on Sound , John Walden e Tom Flint enfatizaram que os cantores ainda não temem perder seus empregos, com Flint enfatizando que, no tempo que leva para aprender a usar o engine, seria mais fácil contratar um cantor profissional por meia hora para a mesma gravação. No entanto, foi louvado o engine de VOCALOID2 pelas suas melhorias em relação ao VOCALOID, bem como a revisão da interface, que tinha sido uma crítica ao software VOCALOID original. Revisões posteriores comentaram que qualquer um que quisesse saber mais sobre VOCALOID só tinha que digitar a palavra “VOCALOID” no YouTube para ver os muitos milhares de títulos de músicas, elogiando o fandom pelo uso do software e por levá-lo ao limite. [30] [31]